Lenda dos Combatentes da Travanca - Paredes de Coura


LETRA   |   CORO   |   PIANO   |   CANÇÃO

Letra: Augusto "Canário"

Música: Carlos Azevedo


Desde o ano de 1640 – logo após a restauração da independência de Portugal face a Espanha – as terras do Alto Minho foram palco de grande instabilidade. Filipe, o rei espanhol, não se conformou com a vitória de D. João IV em Lisboa e realizou inúmeras investidas por esta região, ora com o objetivo de arranjar partidários para a sua causa, ora cercando as praças fortes minhotas que se lhe opunham.

Neste contexto, diz-nos a lenda que, no dia 9 de Agosto de 1662, os espanhóis chegaram a Paredes de Coura. Como estava a anoitecer, aí estabeleceram acampamento e pernoitaram, deixando, naturalmente, alguns sentinelas de vigia. Ora, é exatamente um destes sentinelas quem vislumbrou algo de inimaginável do promontório onde se encontrava: lá para as bandas da Cerdeira, freguesia de Cunha, milhares de tochas evidenciavam um imenso exército a progredir no terreno. O sentinela interrogou-se como era possível ter-se reunido tão grande exército do lado português. Soou o alarme ruidosamente e alertou todos os seus chefes. Estes, perplexos, perceberam que poderiam ser esmagados perante tal potencial guerreiro e, partiram em debandada, apressadamente.

De manhã, com o campo livre, um pequeno grupo de soldados portugueses partiram no encalço dos rivais em fuga. Pelo caminho, passaram pelo local onde os espanhóis adivinharam um grande exército e perceberam o que havia acontecido: manadas de gado com tochas amarradas aos cornos erravam pelo monte, dando a ideia de que de homens se tratava. Ainda por cima, cada animal valia por 2…

Todavia, até hoje, ninguém soube explicar quem teve e implementou aquela brilhante ideia. Contudo, o povo acredita que a vitória dos portugueses, foi um milagre, e que teve “a mão” do S. Lourenço.

Em virtude disso, a luta que não chegou realmente a acontecer ficou conhecida como “Combatentes da Travanca”, o feriado municipal de Paredes de Coura passou a ser comemorado no dia do santo protetor – S. Lourenço e as festividades decorrem em torno da Capela de S. Lourenço, na freguesia de Cunha.