Lenda de Inês Negra - Melgaço


LETRA   |   CORO MISTO   |   CORO E PIANO   |   CANÇÃO

Letra: Augusto "Canário"

Música: Fernando C. Lapa


A Lenda de Inês Negra passa-se em 1388, no Reinado de D. João I, durante a guerra pela independência de Portugal contra Castela. Durante esta contenda, a aristocracia e terras portuguesas de fronteira estavam divididas entre as duas causas – portuguesa e castelhana – o que provocava na raia guerras e escaramuças constantes entre as duas facções. Melgaço havia aderido à causa castelhana e assim, Inês Negra, mulher do povo fiel à causa portuguesa, abandonou a sua cidade com convicção.

Quando El Rei D. João I decidiu reconquistar Melgaço, Inês Negra juntou-se às suas hostes, muito embora os dois exércitos nunca tenham chegado a defrontar-se. Como era comum nesta época, a batalha – que traria grande perda de vidas – foi substituída por um torneio. No caso de Melgaço entre a Inês Negra e a sua rival – a “Arrenegada”, que apoiava os castelhanos. Ambos os exércitos concordaram em substituir a batalha pelo duelo entre as duas mulheres que começou à espada.

Relata a lenda que os portugueses temeram por Inês Negra quando a “Arrenegada” fez saltar a espada das mãos de Inês com um golpe furioso. Sem arma, Inês apoderou-se da forquilha de um camponês e retomou a luta. Entretanto, a sua opositora também largou a espada e pegou num varapau que quebrou nas costas de Inês. Cega pela dor, esta lança-se em luta corporal com a “Arrenegada”.

Rolaram pelo chão…

Entretanto, ouviu-se um grito de dor… a “Arrenegada” levantou-se e fugiu a correr para a torre de Melgaço, tapando as nódoas e o sangue do rosto com as mãos, dando-se por vencida.

E assim, nos termos do acordo, os castelhanos saíram de Melgaço no dia seguinte, dando entrada a D. João I e seus homens. El Rei tentou sem sucesso atribuir uma recompensa à heroína mas, esta replicou que se sentia plenamente recompensada com a sova dada à sua velha inimiga.