Quinta-feira 17 de Agosto, 2017
pesquisa
#
#
Seja bem-vindo
Fique a conhecer melhor o Alto Minho e os dez concelhos que compõem este espaço territorial: Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte do Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira. Veja ainda as notícias, curiosidades, rotas turísticas, guias, informação de apoio empresarial e muito mais sobre esta região do Noroeste português.
Newsletter
Newsletter
Subscreva a nossa newsletter e receba todas as novidades no seu e-mail.
Área reservada |
História

A origem de Ponte da Barca remonta a tempos longínquos, pelos vestígios da ocupação romana encontrados, de que se destacam várias peças de cerâmica, moedas e esculturas, encontradas maioritariamente na área da Serra Amarela. Mas de todos os achados o principal destaque vai para a Pedra dos Namorados, encontrada na freguesia da Ermida e que deve datar da época de romanização do noroeste hispânico.
Em tempos medievais, a região era conhecida como “Terra da Nóbrega”. O nome, Nóbrega, de provável origem celta, indica local fortificado e veio-lhe do altaneiro castro que lhe servia de reduto defensivo, situado no maciço rochoso na freguesia de Sampriz. Mais tarde, Ourigo Ourigues que, provavelmente, foi o primeiro governador da Terra da Nóbrega, (re)edificou o Castelo da Nóbrega sobre as ruínas do velho castro. Nos séculos XII e XIII, o povoamento começa a descer às margens dos rios, sendo assim fundada aquela que viria a ser a vila de Ponte da Barca.
Mas a história desta vila prende-se com o atravessamento do rio Lima. Já em 1050 se mencionaria um ponto de passagem da "Barca" no cruzamento da via dos peregrinos que, de Braga, demandavam a Santiago ou que, da Ribeira Lima, se dirigiam a Ourense, por Lindoso. O topónimo actual "Barca" terá origem nessa embarcação que fazia a ligação entre as duas margens do rio Lima, e é a "Ponte" construída em meados do séc. XV que lhe vai dar o nome de S. João de Ponte da Barca (1450).
No século XVI, com o reordenamento jurídico e administrativo manuelino, a vila recebe foral concedido por D. Manuel e é eleita sede de concelho da Nóbrega, com cerca de 1.500 habitantes. Dois séculos mais tarde, Ponte da Barca era uma vila próspera, de comerciantes e agricultores.
Com a reforma administrativa de 1835 o concelho manteve a sua área administrativa, excetuando as freguesias de Aboim, Codeceda, Covas, Penascais e Valões que passaram para o concelho de Vila Verde, no distrito de Braga.
Terra rica, fidalga, de feição arejada, as Terras da Nóbrega viram nascer junto ao bucólico Lima os irmãos Diogo Bernardes e Frei Agostinho da Cruz, poetas da paisagem, das fontes e da saudade. Mas Ponte da Barca, é também vila morena, de granito talhada, repleta de construções apalaçadas com capelas e muros fronteiros, ameados e brasonados dos séculos XVI e XVII.