Quinta-feira 17 de Agosto, 2017
pesquisa
#
#
Seja bem-vindo
Fique a conhecer melhor o Alto Minho e os dez concelhos que compõem este espaço territorial: Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte do Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira. Veja ainda as notícias, curiosidades, rotas turísticas, guias, informação de apoio empresarial e muito mais sobre esta região do Noroeste português.
Newsletter
Newsletter
Subscreva a nossa newsletter e receba todas as novidades no seu e-mail.
Área reservada |
Um passeio pelo centro histórico de Viana do Castelo

Inicie a sua aula de história no Parque da Cidade, junto à Praça de Touros, e siga a pé pela beira-rio até à Praça Frei Gonçalo Velho, aproveitando para admirar a emblemática ponte metálica, projectada por Gustave Eiffel. Nesta praça, situa-se a primeira igreja paroquial da cidade, a Capela das Almas, um edifício barroco de raízes românicas que sofreu várias transformações. De seguida, caminhe até à Rua da Bandeira, onde encontrará o comércio típico da cidade, e continue em direcção à Praça da República, um dos principais centros lúdicos de Viana do Castelo, onde se localizam alguns dos seus principais marcos históricos: o Chafariz, executado pelo mestre João Lopes, os antigos Paços do Concelho, classificado como Monumento Nacional, e a Igreja e edifício da Misericórdia. Visite a igreja e repare nos seus azulejos e na talha dourada. Já o edifício da Misericórdia merece realce pelas colunas trabalhadas que suportam as varandas. Para além destes monumentos, encontram-se também situados nesta praça, a Casa dos Sá Sotomaior e, a fazer gaveto entre as ruas Manuel Espregueira e Picota, o Museu do Traje.

A partir da Praça da República, onde converge a alma cívica da cidade, vá mergulhando devagar pelas ruas. A cidade é como um museu vivo, com inúmeros monumentos e casas nobres de diferentes períodos e estilos. Se continuar pela Rua Sacadura Cabral até ao Largo Instituto Histórico do Minho, poderá avistar vários monumentos classificados. A Sé Catedral ou Igreja Matriz, classificada como Imóvel de Interesse Público, é um templo do século XV que deixa transparecer a influência de canteiros galegos. Mesmo ao lado situa-se a Casa dos Arcos ou a Casa de João Velho, uma das poucas casas de habitação urbana em pedra, do século XV, de estilo gótico, que se conservam até hoje, pelo que se encontra classificada como Monumento Nacional. Nela esteve hospedado D. Manuel I na sua passagem por Viana, aquando da sua peregrinação a Santiago de Compostela. De frente para a Igreja Matriz encontra-se a Casa dos Lunas, num edifício pintado em rosa velho, que está classificado como Monumento Nacional.

Descendo pela Rua do Poço até à Praça da Erva, deparamo-nos com o Chafariz de São João Baptista, embutido na parede, que data do século XVIII e é de estilo gótico. Adossado ao Chafariz e a fazer gaveto com a Rua do Hospital Velho, situa-se o edifício do Hospital Velho, hoje Posto de Turismo de Viana do Castelo, que funcionou como albergue para os peregrinos de Santiago.

Voltando à Praça da República, siga pela Rua Gago Coutinho e contemple a Capela das Malheiras e a Casa da Praça ou Casa dos Malheiro Reimão, ambas do século XVIII, em estilo joanino rocaille, e provavelmente da autoria de André Soares. Este conjunto encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público. Continue a percorrer a Rua Gago Coutinho, avistando ao fundo a Estátua de Viana (século XVIII) e o rio Lima. Vire na primeira rua à esquerda, entrando na Rua de S. Pedro, onde está implantada do lado direito a Casa dos Costa Barros, com a sua fachada manuelina.

Continue pela Rua Grande até ao cruzamento com a Avenida dos Combatentes da Grande Guerra e aproveite para visitar algumas das lojas de artesanato que aí se encontram.

Posteriormente, e se for amante de arte, desloque-se até ao Largo de São Domingos, através da Rua Manuel Espregueira, onde pode admirar a Casa dos “Da Barrosa”, a Casa dos Agorretas, a Casa da Vedoria e a Casa dos Melo, e visite o Palacete do século XVIII dos Barbosa Maciel, que alberga o Museu Municipal. No mesmo largo encontra-se a Igreja de São Domingos, uma construção de finais do século XVI, que fazia parte do Convento de São Domingos, destruído por incêndio em inícios do século XX.

Depois, caminhe em direcção à Avenida Campo do Castelo onde verá, do seu lado esquerdo, junto à foz do Lima, o Forte ou Castelo de Santiago da Barra, um belo exemplar de fortificação marítima classificado como Imóvel de Interesse Público. Atravesse a rua e vá visitá-lo.

Terminada a visita ao forte, continue pela Avenida Campo do Castelo até à Igreja de Nossa Senhora d’Agonia, uma igreja barroca do século XVIII que guarda a imagem de Nossa Senhora da Agonia, devoção dos pescadores. Ela sai todos os anos em Agosto para a Bênção ao Mar e às embarcações, numa das festas mais belas e coloridas de Portugal.

Depois de um dia intenso, sugerimos que se dirija ao Monte de Santa Luzia, de carro ou funicular, onde se encontra o Santuário do Sagrado Coração de Jesus, de estilo românico e bizantino, que lembra o Sacré Couer em Paris. Do alto deste monte poderá descansar e desfrutar de vistas deslumbrantes sobre toda a cidade e a foz do rio Lima que desagua no imenso oceano Atlântico.